Tema para TCC: Um momento Crítico?

Assim como existem os mais variados tipos de pessoas, existem os mais variados tipos de estudantes. Existem aqueles mais desligados, menos interessados, que estão na faculdade mais “pelo canudo” do que pela ciência em si, pelo conhecimento, pelo saber. Estão errados? Talvez não; pode ser que o único foco destes estudantes seja tentar um concurso futuramente e se assentar na vida. É um outro foco, devemos reconhecer. Já aqueles estudantes ávidos, empolgados, são o extremo oposto. Não bastam apenas os livros usados nas aulas: precisam de indicações de outras fontes, outros livros, artigos científicos; precisam participar de projetos, acompanhar seminários e congressos e pensam no futuro como um laboratório gigante de pesquisas a fazer – e isso faz seus olhos brilharem! São alunos que visam mestrado, doutorado, pós-doutorado – e se tivesse mais, também fariam!

Estes dois alunos terão que passar pelos mesmos processos na graduação, inclusive a apresentação da monografia no fim do curso, estejam empolgados ou não. E ambos costumam enfrentar a mesma dificuldade nessa etapa: a escolha entre as milhares de possibilidades de temas para tcc. Os alunos mais desligados vão ter dificuldade para escolher um porque em geral não apresentam um interesse definido por uma área do conhecimento (e aqui, a sugestão do coordenador vai ser de suma importância). Já os mais aplicados terão dificuldade porque provavelmente vão escolher um tema extremamente amplo e complexo e, por serem tão ávidos, não conseguirão “fechar o leque” em um único assunto. O coordenador terá que agir como um jardineiro com tesoura de poda, ajudando o aluno a eliminar os galhos em excesso na ideia central e focalizar o tema num único aspecto.

Alvos pra todo lado

Na verdade, essa dificuldade existe, mesmo, por causa da quantidade de temas possíveis. É muito complicado escolher apenas um deles porque sempre existe ligação entre os mesmos. Por exemplo, um tcc do curso de medicina: a própria correlação entre os órgãos do corpo permite um trabalho que trate de mais de um aspecto – por exemplo, hormônios e sua influência no ritmo cardíaco. Cada objeto desses permite um trabalho à parte (1) hormônios e 2) ritmo cardíaco), mas também é possível falar da correlação entre os dois. E aí? Faz sobre a correlação ou fecha o tema em um deles?

Outro exemplo? Biologia. Um trabalho sobre as consequências sociais e ambientais da extração do minhocussú no norte do Espírito Santo. Ôa! Só aí temos três temas possíveis: 1) a extração do minhocussú (técnicas), 2) as consequências sociais dessa extração (como isso influencia na renda dos indivíduos) e 3) as consequências ambientais dessa extração (relacionado ciclo reprodutivo do minhocussú).

Em ambos os exemplos: é perfeitamente possível fazer um tcc sobre a relação entre os objetos, mas isso leva muito mais tempo para pesquisar e mais tempo ainda para entrelaçar as inúmeras variáveis que surgirão – e finalmente chegar a uma conclusão. Afinal, existem centenas de formas de alterar os hormônios que influenciarão, das mais variadas formas, no ritmo cardíaco; igualmente, centenas de variáveis na extração do minhocussú influenciam nas consequências socioambientais finais. E num trabalho com tema muito amplo, todas elas devem ser explicadas (ou ao menos as principais, escolhidas através de critérios objetivos). Percebe como um leque muito aberto pode prejudicar o trabalho?

Por que prejudica, se ficaria um trabalho completo?

De fato. Um trabalho amplo assim costuma ser referenciado por outros autores, quando bem feito. É quase como um livro-texto de qualidade, usado como fonte de pesquisa e referência por muitas outras pessoas. O problema é que é um tcc, e esse tipo de trabalho costuma dispor de pouco tempo para ser realizado. Imagine fazer um trabalho tão grande em apenas seis meses, ou no máximo um ano?

Um trabalho de conclusão de curso precisa ter um tema muito fechado e bem definido exatamente por causa do pouco tempo em que será feito. O aluno terá pouco tempo para procurar referências bibliográficas, ler dezenas de livros e artigos (sim: dezenas), correlacionar tudo isso, partir para a pesquisa prática, estudar muito, chegar a uma conclusão e montar isso tudo num trabalho com formatação científica rígida (as temidas normas ABNT). Isso porque nem mencionamos as inúmeras vezes que o orientador vai devolver o texto com centenas de correções a fazer, as várias reuniões que ele e o aluno farão, etc.

Por isso, quando você chegar à fase de escolher um entre os tantos temas para tcc, não se esqueça disso: quanto mais amplo o tema, mais trabalho você terá e, proporcionalmente, menos tempo para isso haverá, o que resultará num trabalho de pouca qualidade. Pense num tema e nas diferentes partes que o compõem; escolha uma dessas partes e desenvolva seu trabalho só sobre ela. Quem sabe a ideia original fica para o mestrado, ou o doutorado?